Agenda Municipal / Música Fado Violado

Dom 15 Ago
Programa MEL - Piquenique das Artes

Parque da Devesa | Palco Anima-te - 19h00
Entrada livre, com levantamento obrigatório de ingresso no local do evento (Parque da Devesa) no período das 2 horas que antecede o espetáculo. Cada pessoa poderá levantar até 6 ingressos.

Fado Violado, projeto musical português que cruza o Fado com o Flamenco, nasce em Sevilha no ano de 2008 pelas mãos de Ana Pinhal e Francisco Almeida. Francisco Almeida começou por tocar baixo elétrico e por cantar, mas foi com a guitarra que as suas primeiras canções se facilitaram. Aos 20 anos a música revelou-se uma opção profissional, os BoiteZuleika logravam algum êxito com “Cão Muito Mau” e os pedidos para concertos multiplicavam-se. Nesta altura, o Francisco começou a levar o estudo da música e da guitarra mais a sério.

Em 2003 teve o primeiro contacto com a guitarra flamenca, tendo feito, mais tarde, vários workshops e master classes em Córdova e Sevilha. Aos 27 anos rumou de novo a Sevilha onde durante três anos estudou guitarra flamenca na Fundación Cristina Heer. Ana Pinhal começou por se dedicar à canção Pop, à Bossa Nova e ao MPB, até que, em 2002 integrou os coros de BoiteZuleika, banda com a qual viria a trabalhar até a sua extinção (2006), participando do disco “Éramos Assim” (2005). O desejo de aprender mais leva-a a frequentar aulas de formação musical e canto. O primeiro contacto com o Cante Flamenco foi-lhe proporcionado pelo Francisco, que por esta altura já se interessava pela guitarra flamenca.

A curiosidade que aquela arte lhe despertou fê-la deslocar-se para Sevilha onde durante três anos estudou Cante também na Fundación Cristina Heere. Surpreendentemente foi em Sevilha, talvez pela saudade, que o fado conquistou o seu coração e foi da comunhão com a guitarra do Francisco que fez nascer Fado Violado. Agora acompanhados por guitarra espanhola, baixo, percussão e palmeiras, os Fado Violado apresentaram o seu primeiro álbum "A Jangada de Pedra” em Portugal, Espanha, França, Bulgária, Roménia, Holanda e no Mel – piquenique das artes.

447 leituras