Agenda Municipal / Diversos Etnográphica 2024 – As voltas do linho

Sáb 16 a Dom 24 Mar
Mogege | Salão da Junta de Freguesia


Entrada livre até à lotação do espaço

Sábado, 16 de março
18h00 | Inauguração da Exposição

18h30 | Cantares do Linho
Grupos: Rancho Folclórico Santa Marinha de Mogege, Rancho Folclórico da A. C. de Gondifelos e Grupo Folclórico Santa Leocádia de Fradelos

Domingo, 17 de março
15h00 | Exibição do Grupo de Cantares do Linho de Rates
Público alvo: geral

Quinta-feira, 21 de março (Dia Mundial da Árvore e do Livro)
10h00 | Atelier: “Construção de um Fantoche em Pano de Linho”
Monitorização: Vânia Costa | Público alvo: ensino básico
O gesto de criar tornou-se na forma de linguagem que Vânia Kosta encontrou para partilhar todo um universo salpicado de encanto, onde todas as personagens abraçam memórias e pequenas histórias.

15h00 | O Som do Algodão
Apresenta o espetáculo "Herbário" (um manifesto poético e musical | Público alvo: ≥ 3 anos | Duração: 45 min
Esta é uma viagem sensorial e sonora pela floresta. A partir do livro “Presos”, de Oliver Jeffers, e do “Herbário”, de Jorge Sousa Braga, Prémio Gulbenkian da Literatura Infantil, desenha-se uma encruzilhada de histórias e poemas que nos convida a regressar à terra, às origens, a buscar o sentido nas pequenas coisas. E tu, vens de mão dada connosco?

Sábado, 23 de março
10h00 | “Tecer Estórias”
Conto: Mocho Comi! | Adaptação, narração e canto: Estefânia Surreira | Duração: 60 min | Público alvo: geral 
"Um dia, um lobo andava a vaguear no monte, quando viu, no cimo de um pinheiro, um mocho, sentado no ninho. O lobo enroscou o rabo à volta do pinheiro e disse bem alto que o ia serrar. Lá em cima, o pobre mocho dizia: -Ó compadre! Não me serres o pinheiro... ou os meus filhinhos caem e morrem... O lobo respondeu: -Anda, anda cá abaixo que eu quero dar-te um recado. O mocho descuidou-se, desceu do ninho... e o lobo agarrou-o com os dentes e meteu-o na boca!" Na boca de um lobo muito bobo, viajaremos, bem aconchegadinhos, até às profundezas da floresta. Lá, encontraremos uma raposa gaiteira, devoradora de sardinhas, um mocho sabichão de bom coração e um corvo-tenor que é bom cantor. Para embelezar a viagem, levaremos o nosso grande poeta Bocage. Será uma viagem através da poesia, contos e fábulas da nossa tradição oral, repleta de peripécias, cantigas e muita alegria.

Contam que certa raposa, 
Andando muito esfaimada, 
Viu roxos, maduros cachos 
Pendentes de alta latada. 
De bom grado os trincaria; 
Mas sem lhes poder chegar, 
Disse: - “Estão verdes, não prestam, 
Só cães os podem tragar”.
Eis cai uma parra, quando
Prosseguia o caminho;
E crendo que era algum bago,
Volta depressa o focinho.
De Manuel Maria Barbosa du Bocage

11h00 | Workshop de Tecelagem
Monitorização: Teresa Vieira | Público alvo: comunidade geral

16h00 | Música Popular
Exibição do Grupo de Cavaquinho da Fundação Castro Alves | Público alvo: geral

Domingo, 24 de março
15h00 | Concertinas e Cantares ao Desafio
Exibição da Associação de Tocadores e Cantadores ao Desafio Famalicense
Público alvo: geral
“Quem me dera ser o linho
Que vós na roca fiais
Quem me dera tantos beijos
Como vós na roca dais”


292 leituras