COVID-19 Famalicão cria bolsa de voluntários Covid 19COVID-19 Voluntariado COVID-19 - InscriçõesCultura e Turismo “Há Cultura” em casa dos famalicensesCOVID-19 Centro de Rastreio móvel de Famalicão começa a funcionar na próxima segunda-feiraMúsica Jovem Orquestra de Famalicão – InscriçõesCOVID-19 Paulo Cunha lança 30 medidas para combater a Covid 19 e apoiar famílias e empresasCOVID-19 Famalicão instala hospital de retaguarda e centro de rastreio à COVID-19Ambiente Gaivota da Islândia passa inverno em FamalicãoCultura e Turismo Famalicão reúne jovens músicos para estágio em orquestraCOVID-19 Paulo Cunha reclama urgência na criação de laboratório para realização de testes em FamalicãoCOVID-19 Câmara disponibiliza verba para que rastrear utentes dos lares do concelhoCOVID-19 Câmara equipa primeira linha de combate à pandemia com material de proteção individualCOVID-19 Câmara garante apoio financeiro extraordinário do município aos BombeirosCOVID-19 COVID-19: Câmara continua a assegurar refeições escolares durante as férias da PáscoaMobilidade Aviso de Trânsito: Rua Álvaro CastelõesMobilidade Aviso de Trânsito: Centro UrbanoCOVID-19 Câmara oferece apoio psicológico à populaçãoFreguesias Expansão da área central de Joane em discussão públicaCOVID-19 Famalicão cria Linha “Mais e Melhores Anos” para acompanhar e apoiar seniores do concelhoAtualidade Câmara avança com construção do Centro de Recolha Animal COVID-19 Câmara de Famalicão dá aulas de atividade física onlineJuventude Câmara atribui 265 bolsas de estudo ao ensino superiorCOVID-19 COVID-19: Câmara cancela Festas AntoninasCOVID-19 COVID-19: Famalicão Made IN cria linha de apoio às empresas

Agenda Municipal / Exposições Ângelo de Sousa: Quase Tudo o Que Sou Capaz da Coleção de Serralves

Até 29 Fev
Casa das Artes - Foyer

Ângelo de Sousa (Lourenço Marques, Moçambique, 1938-2011, Porto), além de ser uma das figuras mais influentes da arte portuguesa da segunda metade do século XX, é um dos artistas melhor representados na Coleção de Serralves, com trabalhos realizados entre os anos 1961 e 2002, e que abarcam todos os meios artísticos a que ele se dedicou ao longo da sua prolífica carreira: desenho, pintura, escultura, instalação, filme e fotografia.
"Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz” junta uma parcela muito considerável destas obras — desenhos, pinturas e esculturas — com o objetivo de sublinhar a importância da contaminação entre aquelas disciplinas para a evolução da sua prática artística: ao reunir obras de vários períodos da sua carreira, esta exposição combate a imagem dominante do pintor Ângelo, mostrando que o desenho e a escultura são não apenas facetas fundamentais da sua obra como aquelas em que porventura é mais evidente o espírito experimentalista da sua obra.
Caracterizados por uma aparente simplicidade — o artista tenta obter, nas suas palavras, "o máximo de efeitos com o mínimo de recursos, o máximo de eficácia com o mínimo de esforço, e o máximo de presença com o mínimo de gritos” —, os desenhos, pinturas e esculturas de Ângelo de Sousa não ilustram conceitos, nunca partem de ideias, mas da ânsia de fazer e pensar com as mãos.

Produção Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto Entrada gratuita

181 leituras