Agenda Municipal / Conferências Processos de (Des)Industrialização: Da euforia ao desencanto

28, 29 e 30 Out
Programa Fundação Cupertino de Miranda

Congresso Anual Associação de Professores de Histórias

Fundação Cupertino de Miranda | Auditório - 13h30

Registo de acreditação CCPFC/ACC-114554/22 (18 horas)

Desde tempos imemoriais que a localização privilegiada de Vila Nova de Famalicão, inserida no Vale do Ave, incentivou a fixação de populações humanas, facto verificável nos inúmeros vestígios arqueológicos que se encontram por todo o seu território. O município, atravessado por importantes vias de comunicação, teve um papel relevante no processo de industrialização regional e nacional iniciado em meados do século XIX, prosseguindo. É, atualmente, um dos principais polos industriais e comerciais do país, tornando Vila Nova de Famalicão um exemplo de resiliência e de inovação. Também nas áreas da cultura e da educação tem demonstrado um dinamismo notável, que prossegue na atualidade, impulsionado pelos diversos agentes culturais existentes na cidade. Por todas estas razões, pareceu à direção da Associação de Professores de História que Vila Nova de Famalicão seria o local ideal para organizar um congresso sobre a temática da industrialização em Portugal. 

28 SEXTA-FEIRA
13h30-14h30: Receção aos participantes
14h30-15h00: Mesa de abertura: Câmara Municipal de Famalicão; Fundação Cupertino de Miranda; CITCEM e APH
15h00-15h50: Comunicação de abertura:
Os ciclos de industrialização na longa duração: uma nova perspetiva José Manuel Lopes Cordeiro (CICS-UMinho; Coordenador Científico do Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave)
15h50-16h40: A industrialização tardo-medieval em Portugal e os seus contextos Arnaldo Sousa Melo (Lab2Pt e Departamento de História, ICS – Universidade do Minho)
16h40-17h00: Debate
17h00-17h20: Intervalo
17h20-18h10: «Maravilhosa invenção! Quem não admirará os progressos deste século?». Uma reflexão sobre as exposições industriais e internacionais Hugo Barreira (CITCEM-FLUP)
18h10-18h30: Debate

29 SÁBADO
09h00-09h50: O impacto do processo de industrialização nos repertórios de ação coletiva Joana Dias Pereira (IHC-NOVA)
09h50-10h40: Paisagens da mudança económica Álvaro Domingues (CEAU-UP)
10h40-11h00: Debate
11h00-11h30: Intervalo
11h30-12h20: O Condicionamento Industrial como instrumento de controlo económico e social da ditadura salazarista Manuel Ferreira Rodrigues (Departamento de Educação e Psicologia-UAveiro)
12h20-13h10: Ritmos, cadências e sons. O rock sai das fábricas para as cidades
Paula Guerra & Ana Martins (Instituto de Sociologia-UP)
13h10-13h30: Debate
13h30-15h00: Almoço
15h00-17h30: Painel pedagógico didático com experiências de escolas de Famalicão no âmbito do programa educativo e cultural «De Famalicão para o Mundo: contributos da História Local»:
Arte, Memória e Ciência - Elos que se fundem Cidália Alves (Agrupamento de Escolas D. Maria II – Vila Nova de Famalicão)
«Peças do Bragal - o destino numa arca» - um trabalho realizado em contexto escolar Rosa Gomes, Hermenegildo Almeida e Cármen do Carmo (Agrupamento de Escolas Padre Benjamim Salgado)
TEAR – Territórios artísticos – Arminda Ferreira (CMVNF) e Joana Brito (A Casa ao Lado)
17h30-18h30: Comunicação de Encerramento:
Os donos de Portugal Fernando Rosas
18h30-19h00: Debate e encerramento dos trabalhos
20h30: Jantar convívio (opcional)

30 DOMINGO
10h00-13h00 VISITAS DE ESTUDO (em simultâneo):
“Torre Literária” na Fundação Cupertino de Miranda;
Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave;
Museu Nacional Ferroviário;
Casa de Camilo-Museu. Centro de Estudos;
Museu Bernardino Machado.
91 leituras