Agenda Municipal / Diversos Dia Internacional dos Museus 2024

Dia Internacional dos Museus 2024
Sex 17 e Sáb 18 Mai
Museus de Vila Nova de Famalicão - 10h00 às 17h30


Nota
O Museu do Automóvel estará aberto no dia 17 de Maio das 10h00 - 12h30/ 14h30-17h30. No dia 18 não abre ao público
O Museu da Confraria de Nossa Senhora do Carmo de Lemenhe estará aberto ao público nos dias 17 e 18, não tendo atividades programadas.

O tema deste anos, “Museus, Educação e Investigação, sublinha o papel fundamental das instituições culturais na oferta de uma experiência educativa holística. O dia apela a um mundo mais consciente, sustentável e inclusivo.

Programa

Sexta 17
Oficina “Os amores de Ana Plácido”
Unidade Museológica: Centro de Estudos Camiliano | 10h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Pré-escolar | Inscrição: Sim | Contacto: geral@camilocastelobranco.org
Vamos recordar um grande romance português que conta a história de um amor que foi muito importante. Qual será? Sabes que o escritor que escreveu esse romance também viveu um grande amor? Assim, para celebrarmos esses amores, vamos construir um jardim com muitos amores, consciencializando para um mundo mais consciente, sustentável e inclusivo.

Visita dinamizada “Pensar a Liberdade”
Unidade Museológica: Fundação Cupertino Miranda | 10h00 e 14h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público escolar a partir dos 12 anos e Seniores | Inscrição: Sim | Contacto: museu@fcm.org.pt
O que é a liberdade? Consideram-se livres? Num ano em que se celebram 50 anos de liberdade e 100 anos de Surrealismo, queremos refletir sobre o lema “AMOR, LIBERDADE E POESIA” através da observação de obras de arte!

Peddy-paper “P´las ruas de Vila Nova”
Unidade Museológica: Museu Bernardino Machado | 10h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público escolar | Inscrição: Sim | Contacto: museu@bernardinomachado.org
Conhecer o nosso território é fazer parte dele e descobrir a cada mirada algo novo naquele que é o nosso lugar de sempre. A expressão “lugar” pode ter uma variedade de significados. Pode referir-se ao espaço ocupado, a pequenas áreas, a localidades, a pontos de observação, entre outros. No entanto, o conceito de lugar tem um valor. Não é só espaço ocupado fisicamente, um lugar só é lugar porque tem uma paisagem cultural associada com significados profundos para quem lhe pertence. Falamos de vivências, memórias e, consequentemente, de identidade, de pertença. Assim, o lugar transporta em si a ideia de significado e, mais do que isso, de afeto. A rua da vossa infância pode ser chamada de lugar, ou a região onde moram, ou até mesmo a vossa casa. Tudo é lugar quando vivido. Por isso, os Museus são, também eles, lugares. São um espaço ocupado e são um espaço que ocupa outro de forma indissociável – o território – com coleções que transportam em si vivências e memórias e que permitem conexões entre tempos e realidades diferentes, passadas e presentes.

Peddy-paper “À descoberta do património ferroviário”
Unidade Museológica: Museu Nacional Ferroviário – Núcleo de Lousado | 10h00 e 14h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público escolar | Inscrição: Sim | Contacto: museuferroviario@famalicao.pt
Sinopse: Lançando o desafio às escolas do território para descobrir o património ferroviário através da organização de um peddy-paper pelas várias secções do Museu, e por fim levar os participantes a deixarem a sua avaliação registada num mural pedagógico, através de pintura ou desenho, criado para o efeito, numa interação consciente e inclusiva entre Museu e Educação.

Exibição de filme “25 de Abril (para crianças)”
Unidade Museológica: Museu da Guerra Colonial | 10h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Crianças 3-12 anos | Inscrição: Sim | Contacto: info@museuguerracolonial.pt
Filme de animação sobre a Revolução do 25 de Abril, ou Revolução dos Cravos. Este acontecimento histórico deu-se em 1974. A história de hoje é sobre a conquista da liberdade! Para crianças entre os 3 e os 12 anos, que narra o 25 de Abril na sua linguagem, simples e imagens animadas. Ajuda a adquirir os primeiros conhecimentos sobre o 25 de Abril, a Democracia, a Liberdade e a Paz.

Visita orientada à exposição " A Última Ceia: da Páscoa Judaica á Páscoa Cristã” por José Nogueira
Unidade Museológica: Museu de Arte Sacra da Capela da Lapa | 10h30 e 15h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: museuartesacra@famalicao.pt

Visita orientada online à exposição temporária “Mário Cesariny – Em todas as ruas te encontro”
Unidade Museológica: Fundação Cupertino Miranda | 12h30 e 17h00
Formato: Online | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: museu@fcm.org.pt
Mário Cesariny foi figura central da intervenção surrealista em Portugal. A experimentação e o corte com as práticas mais académicas elevaram a sua obra a uma existência muito particular. Estarmos perante as obras de Cesariny é contactar com a sua vontade criativa, o seu pensamento, a sua curiosidade e, sobretudo, a sua exaltação à vida de: “tanto tão perto tão real”. Venham conhecer uma pequena mostra da incalculável herança cultural que nos deixou.

Workshop” De uma bola de barro se faz o nosso imaginário”
Unidade Museológica: Fundação Castro Alves | 14h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Crianças 4 aos 10 anos | Inscrição: Sim | Contacto: fundacao@fundacaocastroalves.org
Sinopse: Criação de peças ao seu imaginarium, evoluindo na germinação de histórias artísticas. O objetivo é criar uma simbiose de ligação entre as diferentes peças concebidas, culminando com um conceito unitário e representativo do grupo, no imaginarium de cada um.

Exibição do filme “Famalicão 1940”, de Manoel de Oliveira
Unidade Museológica: Centro de Estudos Camilianos | 14h30 e 15h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Seniores | Inscrição: Sim | Contacto: geral@camilocastelobranco.org
Com um dos primeiros filmes de Manoel Oliveira, realizado em 1940, propomos reviver "Famalicão" antigo, compartilhar memórias e reforçar a ideia de que fazemos parte de um passado comum.

Apresentação do vídeo “Um Riacho – O naturalismo de Júlio Ramos”
Unidade Museológica: Casa Museu Soledade Malvar | 14h30
Formato: Online | Partindo do quadro "Um Riacho”, do pintor Júlio Ramos pretende-se dar a conhecer um pouco mais sobre esta obra de pintura da Casa-Museu Soledade Malvar, tendo por base o estudo da coleção efetuado por Sofia Navalho.

Exibição do documentário “Bom povo português”, de Rui Simões
Unidade Museológica: Museu da Guerra Colonial | 15h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público 12 -100 anos | Inscrição: Sim | Contacto: info@museuguerracolonial.pt
Documentário histórico realizado por Rui Simões, de longa-metragem que descreve a situação social e política de Portugal entre o 25 de Abril de 1974 e o 25 de novembro de 1975. Narrado por José Mário Branco. Rui Simões assume o comprometimento da equipa que rodou o documentário com o próprio processo revolucionário: “O filme procura traçar a história entre o 25 de Abril de 1974 e 25 de novembro de 1975, tal como ela foi sentida pela equipa que, ao longo deste processo, foi ao mesmo tempo espectador, ator, participante, mas que, sobretudo, se encontrava totalmente comprometida com o processo revolucionário em curso.”

Espetáculo de Magia “Indústria de Ilusões”
Unidade Museológica: Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave | 15h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral 
Espetáculo de magia no Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave pelo mágico André Castro. Este é um espetáculo onde o mistério, o suspense e o humor serão alguns dos ingredientes. De forma surpreendente, a magia vai acontecendo, arrancando ainda boas gargalhadas de todos os presentes. O público não será só mero observador, intervirá de forma direta no desenrolar do espetáculo tornando-o assim muito mais interativo. O evento será algo único e inesquecível, com ilusões associadas ao têxtil, quer através de tecidos ou de cordas.

“As Mulheres na Indústria Têxtil no Vale do Ave”, pela Dr.ª. Raquel Azevedo, e lançamento do II volume de 2023 da monografia “Arqueologia Industrial”, pelo coordenador científico do Museu, Dr. José Lopes Cordeiro.
Unidade Museológica: Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave | 18h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: sim | Contacto: geral@museudaindustriatextil.org
A Conferência “As Mulheres na Indústria Têxtil no Vale do Ave” aborda a importância da Mulher na indústria têxtil no Vale do Ave, cujas condições de vida são hoje em dia pouco conhecidas como o trabalho que acompanham a sua atividade. Nesse sentido, o Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave procurará apresentar alguns relatos históricos das diferentes experiências vividas nesta região.
Publicadas pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão/ MITBA, em colaboração com a APPI/ TICCIH, estas edições têm como objetivo promover e difundir trabalhos inéditos elaborados por investigadores, técnicos da APPI e especialistas nacionais e estrangeiros da área, a critério do Conselho Científico.

Sábado 18
Exibição do Manuscrito “Os brilhantes do brasileiro”, de Camilo Castelo Branco
Fundação Cupertino Miranda
Unidade Museológica: Centro de Estudos Camilianos | Formato: Presencial | Data: 18 a 25 de maio | Público-Alvo: Público em geral
Exibição do manuscrito do romance de Camilo Castelo Branco "Os brilhantes do brasileiro". Escrito em 1869, seis anos após a morte de Manuel Pinheiro Alves, 1.º marido de Ana Plácido, reflete situações e atitudes coincidentes com a dos amantes, Camilo e Ana, que provocaram em 1859-1860 retumbante escândalo no Porto.

Exibição de filme “25 de Abril (para crianças)”
Unidade Museológica: Museu da Guerra Colonial | 10h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Crianças 3-12 anos | Inscrição: Sim | Contacto: info@museuguerracolonial.pt
Filme de animação sobre a Revolução do 25 de Abril, ou Revolução dos Cravos. Este acontecimento histórico deu-se em 1974. A história de hoje é sobre a conquista da liberdade! Para crianças entre os 3 e os 12 anos, que narra o 25 de Abril na sua linguagem, simples e imagens animadas. Ajuda a adquirir os primeiros conhecimentos sobre o 25 de Abril, a Democracia, a Liberdade e a Paz.

Oficina “A Magia do Caminho”
Unidade Museológica: Museu de Arte Sacra da Capela da Lapa | 10h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: museuartesacra@famalicao.pt
Partindo da exposição "A Última Ceia: Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã" patente no Museu de Arte Sacra da Capela da Lapa, inserida num lugar singelo e sagrado, cujas portas se abrem ao que os nossos antepassados nos deixaram, propomos uma oficina de velas decorativas centrada no significado do Círio Pascal e da sua importância como sendo a luz do caminho que permitiu à humanidade ultrapassar a escuridão.
Antes da invenção da lâmpada, eram as velas que iluminavam todas as casas, dos palácios aos casebres de várias partes do mundo. Foi à luz de velas que grandes escritores fizeram os seus livros, que cientistas elaboraram teorias geniais e que músicos encantavam plateias séculos atrás. A vela não foi criada por uma pessoa num lugar específico. Foi produto de muitas mentes e épocas.
Como tal, a sua função desde sempre oscilou entre o utilitário e o simbólico no passado e entre o simbólico e o ornamental no presente. Nesta atividade vamos compreender o significado dos símbolos representados no Círio Pascal e de uma forma criativa e participada produzir a nossa vela.

Sábados em Família| Peddy-paper "Em todas as ruas te encontro" 
Unidade Museológica: Fundação Cupertino Miranda | 11h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Famílias com crianças a partir dos 3 anos | Inscrição: Sim | Contacto: museu@fcm.org.pt
Sabiam que Mário Cesariny dava novos destinos a coisas perdidas na rua? Sabiam que adorava gatos? E que nunca escreveu um poema em casa? Desafiamos a encontrarem Mário Cesariny - uma personalidade inquieta, polémica e revolucionária que lutou para ser livre no seu país – através de adivinhas.

Visita orientada “A Coleção da Escola de Cerâmica Artística.”
Unidade Museológica: Fundação Castro Alves | 11h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: fundacao@fundacaocastroalves.org
Visita orientada que reconhece o valor da educação não-formal, onde cada peça da coleção é uma obra artística que complementa a riqueza do Museu de Cerâmica Artística, com a sua origem na Escola/Oficina de Cerâmica. O acesso à educação na Escola de Cerâmica da Fundação Castro Alves, permitiu gerar valor artístico na comunidade. Visitar a Coleção é memorizar narrativas artísticas, descobrir a importância que uma escola com ensino não formal transformou inicialmente 20 alunos em artistas.

Apresentação do vídeo “Objetos que Brilham - Coleção de Joias de Soledade Malvar”
Unidade Museológica: Casa Museu Soledade Malvar | 14h30
Formato: Online
Uma visita virtual às joias que habitam na Casa Museu Soledade Malvar, falando um pouco sobre a sua origem e sobre os elementos que a caracterizam. Tendo por base o estudo da coleção efetuada por Thalita Sbragio, pretende-se dar a conhecer um pouco mais sobre esta temática da coleção da Casa-Museu.

Oficina de costura” As Catarinas”
Unidade Museológica: Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave | 14h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: geral@museudaindustriatextil.org
Em homenagem, singela, a Santa Catarina, padroeira dos alfaiates e das costureiras, o Museu da Indústria Têxtil apresenta o ateliê “As Catarinas”. Uma partilha de talentos, gostos e dúvidas, ninguém ensina e todos aprendem com a participação e partilha. Como coser um botão, uma baínha, fazer ponto de cruz, bordar e outras artes.

Tertúlia “Conexões da educação”, com Rosário Ferreira
Unidade Museológica: Casa Museu Soledade Malvar | 15h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Publico geral | Inscrição: Sim | Contacto: soledademalvar@famalicao.pt
Porque a Educação é um processo sistémico de suporte ao desenvolvimento integral do indivíduo, deve assentar em espaços de socialização de culturas, práticas, conhecimentos, princípios e valores atinentes a uma sociedade que se quer democrática e inclusiva. Nesta conversa, iremos refletir sobre Conexões da Educação, na sua ligação à Educação Formal, não Formal e Informal, que potenciem condições de equidade a alunos, famílias, outros agentes envolvidos no processo educativo, consentâneas com as suas expetativas e necessidades e na qual são respeitados e valorizados.

Conferência “Via Estreita, um património a preservar” com Rui Damasceno Rato e Gabriel Lopes.
Unidade Museológica: Museu Nacional Ferroviário – Núcleo de Lousado | 15h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Moderação de Teresa Torres. | Inscrição: Não
Uma conferência sobre cultura e identidade ferroviária, revela trabalhos de investigação dos próprios oradores, efetuados em contexto universitário, apelando também à presença e participação de pessoas, do público em geral, que de uma forma ou de outra se relacionam com a temática em questão.

Exibição do documentário “Bom povo português”, de Rui Simões
Unidade Museológica: Museu da Guerra Colonial | 15h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: 12 -100 anos | Inscrição: Sim | Contacto: info@museuguerracolonial.pt
Documentário histórico realizado por Rui Simões, de longa-metragem que descreve a situação social e política de Portugal entre o 25 de Abril de 1974 e o 25 de novembro de 1975. Narrado por José Mário Branco.
Rui Simões assume o comprometimento da equipa que rodou o documentário com o próprio processo revolucionário: “O filme procura traçar a história entre o 25 de Abril de 1974 e 25 de novembro de 1975, tal como ela foi sentida pela equipa que, ao longo deste processo, foi ao mesmo tempo espectador, ator, participante, mas que, sobretudo, se encontrava totalmente comprometida com o processo revolucionário em curso.”

Oficina “A Magia do Caminho”
Unidade Museológica: Museu de Arte Sacra da Capela da Lapa | 15h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Comunidade (0-100) | Inscrição: Sim | Contacto: museuartesacra@famalicao.pt
Partindo da exposição "A Última Ceia: Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã" patente no Museu de Arte Sacra da Capela da Lapa, inserida num lugar singelo e sagrado, cujas portas se abrem ao que os nossos antepassados nos deixaram, propomos uma oficina de velas decorativas centrada no significado do Círio Pascal e da sua importância como sendo a luz do caminho que permitiu à humanidade ultrapassar a escuridão.
Antes da invenção da lâmpada, eram as velas que iluminavam todas as casas, dos palácios aos casebres de várias partes do mundo. Foi à luz de velas que grandes escritores fizeram os seus livros, que cientistas elaboraram teorias geniais e que músicos encantavam plateias séculos atrás. A vela não foi criada por uma pessoa num lugar específico. Foi produto de muitas mentes e épocas.
Como tal, a sua função desde sempre oscilou entre o utilitário e o simbólico no passado e entre o simbólico e o ornamental no presente. Nesta atividade vamos compreender o significado dos símbolos representados no Círio Pascal e de uma forma criativa e participada produzir a nossa vela.

Recital performativo “Há um sol esplendente nas coisas – Mário Cesariny” 
Unidade Museológica: Fundação Cupertino Miranda | 16h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: museu@fcm.org.pt
Apelando à imaginação, pedimos que nos acompanhem numa viagem pelas ruas de Cesariny, pelos cafés das tertúlias, pelo atelier/quarto/casa desta figura incontornável do nosso panorama cultural que fez da trilogia Liberdade, Amor, Poesia a sua pele. O ar Mário sem porta espera-nos. Como um gato salta e voa toda a noite, rebela-se e por um processo de eliminação das sombras mostra-nos que há um sol esplendente nas coisas que só podemos contactar como amantes de olhos fechados e lâmpadas nos dedos e na boca.

Espetáculo de Música “Imersos pelas notas musicais”
Unidade Museológica: Fundação Castro Alves | 18h00
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em Geral

“Às voltas com o Fado”
Unidade Museológica: Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave | 21h30
Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral
Às voltas com o Fado... O silêncio, a musicalidade e a sonoridade do piano acompanham a voz de Carina Amarante e os bailarinos da ARTIS – Academia de Bailado, levando ao mundo a emoção, sentimento e saudade. Um cenário repleto com luz, história industrial e expressão corporal que resulta da união destas artes: fado e bailado.

Conferência “O espaço, a construção da personagem e a intertextualidade camiliana em Domingos Monteiro”, por Fernando Alexandre Lopes
Fundação Cupertino Miranda | 21h30 
Unidade Museológica: Centro de Estudos Camilianos | Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral | Inscrição: Sim | Contacto: geral@camilocastelobranco.org
Na comunicação em apreço, procuramos ilustrar a intertextualidade propiciatória entre os dois escritores, Camilo Castelo Branco e Domingos Monteiro (ambos viveram, inclusivamente, na cidade de Vila Real, tendo sido Domingos Monteiro aluno do então Liceu Central Camilo Castelo Branco!), a partir da análise do Conto "O Desconto", ínsito na obra História das Horas Vagas, publicada em 1966, e da novela Eusébio Macário, onde existe mesmo uma referência intradiegética a Camilo e a um episódio daquela novela que teve depois continuação em A Corja.)

(H)Á Noite no Museu!
Museu Bernardino Machado | 22h30
Unidade Museológica: Museu Bernardino Machado | Formato: Presencial | Público-Alvo: Público em geral
Num dos espaços mais emblemáticos da cidade de Vila Nova de Famalicão (Palacete Barão de Trovisqueira), entre música, amigos, diversão, bom ambiente e copos à mistura, estão reunidos todos os ingredientes para uma grande noite. O Museu Bernardino Machado e a Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão, em parceria com o Classe Bar promovem uma festa noturna alusiva à temática do Dia Internacional dos Museus.


796 leituras